A alma no hinduísmo

A alma no hinduísmo difere bastante do conceito de alma para os ocidentais e é a concepção de alma no hinduísmo que sustenta a ideia da reencarnação.

Conheçamos, então, a alma no hinduísmo, sua origem e trajetória.

A alma no Hinduísmo
A alma no Hinduísmo

A alma no hinduísmo

O hinduísmo concebe a alma como sendo eterna; não tem princípio nem fim; é indestrutível e existe em qualquer coisa que tenha vida: seres humanos, animais, plantas e até em seres espirituais ou deuses

Para o hindu, “almas são almas” e são iguais em todas as formas de vida e, por isso, a alma em uma encarnação pode ser um inseto, em outra um animal e ainda em outra um ser humano.

A trajetória da alma

A trajetória da alma está intrinsicamente ligada às ações praticadas na vida encarnada, sendo a atuação numa vida determinante para uma vida e encarnação posterior.

No hinduísmo, segundo John A. Sanford, em sua obra: “A jornada da alma: Um analista junguiano examina a reencarnação”:

[…] a alma, apesar de aparentemente existir em entidades distintas, é na realidade uma com Atman. A alma é Atman […]. A alma percebida como entidade individual, que pode ser chamada alma ou eu empírico ou encarnado, é o jiva […] que significa “viver”.

Ego, Atman e a alma no hinduísmo

Aquilo que o ocidental chama de ego, ou fonte da consciência do “Eu”, é similar ao que é conceituado no pensamento hindu de ahamkara, que se refere ao que configura e determina a individualidade de algo ou alguém.

Ahamkara é o que dá senso de identidade que, por sua vez, também enseja a ideia de separatividade, pois este senso de eu faz a distinção entre si e os outros e, muitas vezes, enganosamente, distinguindo-se até da própria alma.

O jiva ou a alma como entidade individual tem sua origem no Atman, mas, enquanto vive na ignorância, não tem consciência desse fato.

Atman é o princípio universal, a base e a origem de tudo.

Assim, a alma de uma entidade individual possui apenas uma frágil existência e pouca importância em si mesma por não perceber sua origem no Atman, que é a alma em sua origem e essência.

A roda de Samsara e a alma no hinduísmo

No hinduísmo o importante é a realidade subjacente, pois o Atman é, na verdade, a alma impessoal e o que acontece a cada renascimento é uma nova encarnação do jiva, ou seja, o renascimento de uma nova personalidade psíquica, diferente da personalidade psíquica anterior.

Essa cadeia de nascimentos é chamada de Samsara, daí a expressão “a roda de Samsara”, que designa o fluxo incessante de várias encarnações e que só para de rodar quando o indivíduo alcança a moksha, que é salvação e caminho à iluminação espiritual.

A compreensão do tema: “A alma no hinduísmo” nos permite compreender o que sustenta outros temas como a reencarnação, os animais sagrados e os vários deuses desta fascinante religião.

Paulo Rogério da Motta