As cores das flores


Uma criança cega precisa escrever uma redação sobre as cores das flores.

Como descrever o que nunca foi visto nem percebido?

Uma missão Impossível?

Não para o ser humano.

As cores das flores

As cores das flores

O curta-metragem: “As cores das flores” foi produzido pela organização sem fins lucrativos espanhola chamada ONCE.

O vídeo mostra o desafio de um menino cego que precisa redigir uma redação sobre as cores das flores como tarefa escolar.

Ele se propõe a cumprir a tarefa e acaba por demonstrar que as cores podem ser percebidas pelo coração e que as crianças aprendem o que vivem, como escreveu Dorothy Law Rothe.

As cores das flores

As crianças aprendem o que vivem

Se uma criança vive na crítica, aprende a criticar.

Se uma criança vive na hostilidade, aprende a brigar.

Se uma criança vive com o ridículo, aprende a sentir-se culpada.

Se uma criança vive na tolerância, aprende a ser paciente.

Se uma criança vive com coragem, aprende a ter confiança.

Se uma criança vive com elogio, aprende a apreciar.

Se uma criança vive na retidão, aprende a ser justa.

Se uma criança vive com aprovação, aprende a gostar de si mesma.

Se uma criança vive com aceitação e amizade, aprende a encontrar amor no mundo.

Dorothy Law Rothe

As cores das flores

Essência é essencial

Antes de assistirmos o vídeo vamos colorir esta experiência com alguns excertos do livro: “Valores Humanos na Educação” (Uma nova prática na sala de aula), de Maria Fernanda Nogueira Mesquita.

O caminho existe e é tão simples que, muitas vezes, não conseguimos enxergá-lo.

Para segui-lo, não precisamos realizar grandes proezas nem sacrifícios.

Não apresentamos aqui nenhuma descoberta científica recente, mas falamos de conceitos tão antigos e importantes que não podem ser dissociados do nosso comportamento sob o risco de perdermos a principal característica que nos difere de outros seres vivos: a humanização.

Ensinar uma equação matemática, a ortografia correta ou qualquer outro tema acadêmico jamais deveria ser mais importante do que considerar o sentimento do ser humano, sua necessidade de aproximação, de afeto e de confiança.

Nós nos acostumamos a relacionar o termo “ser humano” ao que é falho, defeituoso. “Sou humano, tenho meus defeitos…” passou a ser justificativa para qualquer desacerto.

Mas não deveria ser. Ser humano é possuir uma essência divina.

E foi com essa essência humana que nosso herói conseguiu, mesmo sendo cego, ver as cores das flores!

Vídeo: As cores das flores

Antoine de Saint-Exupéry: “O essencial é invisível aos olhos.”.


Veja também…

Vídeo: Cores da vida