Conhecendo a Arteterapia e a Si Mesmo

A Arteterapia segundo a visão de Janaína Soares, psicóloga e especialista em Arteterapia.

Acompanhe a psicóloga e seu trabalho aqui:

Facebook

JNS Psicologia – Blog

 Conhecendo a Arteterapia

A Arteterapia ajuda o homem a alcançar um contato mais profundo e intimo com o “si mesmo”. A alma nos fala através da arte, revelando concretamente sua verdade e suas expressões.  A criatividade faz parte da totalidade humana, levando a um conhecimento mais profundo do mundo através de um mergulho na alma humana. Quando o homem utiliza a arte para comunicar-se com o mundo, consegue ir além do visível, ultrapassa fronteiras e alcança algo mais profundo, impossível de ser descrito com palavra. A arte como expressão simbólica torna-se um veículo estruturante da consciência e do eu. Facilita o contato ou situações que provocam medos, dúvidas ou inseguranças. (RAMOS…[et al.], 2009. Pg. 21 e 22).

Os trabalhos de terapia através da arte tiveram seu inicio em centros de reabilitação de hospitais psiquiátricos e era realizado por pessoas com alguma formação artística. A função deste trabalho consistia em oferecer instruções técnicas aos pacientes com o objetivo de deixá-los mais tranqüilos. As técnicas expressivas com finalidades terapêuticas surgem com o aparecimento da psicanálise e o aprofundamento nos estudos sobre inconsciente, onde o terapeuta tinha a função de avaliação do progresso e possibilidades de melhora. A Arteterapia, apresentada a partir de um valor técnico, trás a proposta de oferecer um espaço de expressão e comunicação de fantasias e sentimentos através da utilização de materiais plásticos, procurando promover através da arte aquilo que anteriormente não era nomeavel. (URRUTIGARAY. 2011. Pg. 23 e 24)

As ferramentas da Arteterapia dão ao homem suportes materiais para tornar visível sua energia psíquica através das criações artísticas.

É o símbolo, tornando tocável e acessível através  da dança, pintura, máscaras de gesso, esculturas e etc., aquilo que antes era desconhecido e assustador.

Quando a arte é trazida para o processo terapêutico o indivíduo tem a oportunidade de lidar com algumas de suas maiores riquezas, coisas que estavam guardadas na profundidade do inconsciente podem ser libertas através das atividades criativas expressivas.

A criatividade é algo natural no homem, por isso, quando se usa arte como recurso para buscar a individuação, é possível um contato mais íntimo com a sua alma e com sua humanidade. A saúde e a criatividade caminham juntas no decorrer da existência. Os processos criativos agem de forma transformadora e carregam um potencial terapêutico que está diretamente influenciando na saúde de um indivíduo, leva a caminhos para o crescimento e desenvolvimento interior.  Quando uma pessoa é capaz de expressar algo novo, que antes era reprimido ou até não permitido, ele pode se surpreender com os novos conhecimentos de si mesmo que irão surgir. O que estava oculto aparece, o que era apenas projetado se desfaz em novas possibilidades. (CIORNAI, 2004. Pg. 26 e 74).

Conhecendo a Arteterapia e a Si Mesmo

O processo terapêutico leva o homem ao encontro de seu bem mais precioso, ele mesmo.

Nem sempre este caminho é seguro e belo, ao contrário, é quase sempre um processo doloroso e difícil.

Os caminhos têm muitas barreiras e algumas vezes são complicados de se percorrer.

Para fazê-lo é preciso ser forte e persistente.

A Arteterapia pode ser vista como uma carruagem, que ajuda a transportar um indivíduo assustado e cansado até o outro lado da ponte. Neste percurso tem barreiras e dificuldades, mas há também o apoio e a proteção.

Através das expressões artísticas o indivíduo tem a oportunidade de olhar para si sem que isso lhe doa tanto.

Ele tem todo um momento para assimilar sua obra e entendê-la, antes de perceber que ali está um retrato de sua alma.

Fica mais fácil lidar com situações difíceis quando se ganha um tempo para refletir a respeito, quando há uma oportunidade de digerir a situação.

Olhar uma obra expressiva pronta, ou ter a oportunidade de desenhá-la, modificá-la ou até destruí-la pode ser algo revigorante e transformador.

Janaina Soares