Disseminando cidadania

Sociedade doente

O reconhecimento das sombras conduz à modéstia fundamental de que precisamos para admitir imperfeições. Esse reconhecimento e constatação conscientes devem sempre acompanhar as relações humanas. (Carl. G. Jung; Presente e futuro).

O primeiro passo para qualquer transformação é o reconhecimento de que algo precisa ser transformado, de que alguma coisa não está bem, de que há sombra e que se faz necessária a presença de luz.

Portanto, primeiro passo: “Reconhecer que nossa sociedade está doente.”.

Hoje vivemos na sociedade do rolezinho, do bullying, do arrastão, da liberação da droga por incompetência em coibi-la, dos bailes funk regados a drogas e sexo, da justiça feita com as próprias mãos, da homofobia, do vandalismo, do consumismo, da pedofilia, do abuso sexual, das drogas…

Urgência em se fazer algo

[…] o mais alto interesse da sociedade livre deveria ser a questão das relações humanas, do ponto de vista da compreensão psicológica, uma vez que sua conexão própria e sua força nela repousam. Onde acaba o amor, tem início o poder, a violência e o terror. (Carl. G. Jung; Presente e futuro).

A urgência em se fazer algo é porque a demora afeta o presente e escreve o futuro.

O que não se fizer hoje nos afeta agora e continuará a afetar amanhã.

Há que se considerar também que o tempo para a criança e o jovem passa rápido, muito rápido, mais rápido do que para quem não é criança ou adolescente.

A infância passa rápida e o que nela é escrito leva-se por toda a vida.

A adolescência passa rápida e o indivíduo que é formado nesta fase será o projeto do adulto que ele será durante toda a vida.

Gerações estão sendo perdidas

De tudo aquilo que fez no passado

Você come o fruto

Podre ou maduro

(T. S. Eliot)

Quando a sociedade está doente, gerações podem ser perdidas.

A doença social apresenta sintomas como pessoas sem capacidade de reflexão, incapazes de indignação e sem força para interferir e modificar a realidade.

O resultado é uma geração moralmente enfraquecida; que alimenta o sentido da vida com prazeres momentâneos, o que a faz presa fácil de modismos, consumismo e qualquer “ismo” que tome decisões e direcione sua vida; ou seja, constituída de figurantes e, consequentemente, sem protagonistas sociais.

A geração que governa o mundo hoje são as crianças e jovens de ontem. A geração que governará o mundo amanhã é a geração de crianças e jovens de hoje.

 Mea culpa

Quanta respeitabilidade e aparente moralidade tecem um manto de ilusão para esconder um mundo interior bem diferente e obscuro? Sendo assim, antes de qualquer coisa, importa saber ao certo se aquele que fala de ideais é ele mesmo ideal, a fim de que seus atos e palavras sejam mais do que parecem. (Carl. G. Jung; Presente e futuro).

Falamos que uma sociedade doente é composta por um conjunto de indivíduos que adoeceram.

Nós vivemos nesta sociedade que adoeceu, por conseguinte, também adoecemos.

Se hoje vivemos num muno que não nos satisfaz e num mundo que acreditamos poder ser melhor, primeiramente, precisamos olhar para dentro de nós, compreendermos que fazemos parte do mal instalado na sociedade e no mundo e que o ponto de partida para melhores tempos tem que ser dado antes dentro de nós.

São passos de formiga num longo caminho, mas é o único meio de não sermos cúmplice daquilo que não gostamos e sermos parceiros daquilo que queremos.

Disseminando cidadania

Todavia, o que está a nosso alcance é a transformação dos indivíduos singulares, os quais dispõem de possibilidade de influenciar outros indivíduos igualmente sensatos de seu meio mais próximo e, às vezes, do meio mais distante. Não me refiro aqui a uma persuasão ou pregação, mas apenas ao fato da experiência de que aquele que alcançou uma compreensão de suas próprias ações e, desse modo, teve acesso ao inconsciente, exerce, mesmo sem querer, uma influência sobre o seu meio. (Carl. G. Jung; Presente e futuro).

Todo ser humano é um ser social, portanto, influencia e é influenciado pelo meio em que vive.

Hoje é fundamental que se tenha consciência de que a ação deve ser focada na busca do “bem maior” e que o propósito de alguém num mundo globalizado influencia a vida daqueles que cruzam o seu caminho.

Disseminar cidadania: esta é a forma de influenciar e beneficiar a sociedade como um todo e cada um que compõe este todo.

A sociedade é composta de indivíduos e uma sociedade doente nada mais é do que um conjunto de indivíduos doentes.

A sociedade doente é composta por indivíduos que adoeceram psiquicamente (fobias, transtornos de personalidade, etc.), emocionalmente (normalização do sofrimento humano, descontrole emocional, etc.), moralmente (ausência de valores, egoísmo, etc.), socialmente (incapacidade de indignação, necessidade de alienação da realidade, etc.), espiritualmente (perda do sagrado, da atuação ética, etc.) e até fisicamente (psicossomatizações).

Assim como o mal contamina, o bem dissemina.

A transformação de um indivíduo pode ser o início da transformação de milhões.

Assim como se instaura um círculo vicioso também é possível se instaurar um círculo virtuoso.

Paulo Rogério da Motta