Mensagem: A arte do silêncio

A arte do silêncio é algo valioso não somente pela mensagem que o silêncio pode transmitir, mas também pelo dano que as palavras podem fazer.

Uma mensagem para refletir… Em silêncio!

Mensagem - A arte do silêncio

O poder das palavras

É preciso considerar o poder que as palavras exercem sobre nos.

Quando ouvimos um elogio, há um bem estar que nos invade e acaba por influenciar nossas ações.

Da mesma maneira, quando ouvimos uma ofensa, reagimos de acordo com ela, e passamos a nos comportar também de acordo.

As palavras tem o poder de questionar, intrigar, solucionar e mudar.

As palavras podem ser armas, por isso, em alguns momentos é preferível o silêncio.

Mensagem - A arte do silêncio

A arte do silêncio

Certa vez um homem não se cansou de falar que seu vizinho era um ladrão.

E o seu vizinho acabou sendo preso.

Algum tempo depois descobriram que o homem era inocente.

O rapaz foi solto e após muito sofrimento e humilhação processou o vizinho.

No tribunal o vizinho disse ao juiz:

– Comentários não causam tanto mal!

E o juiz respondeu:

– Escreva então os comentários que você fez sobre ele em um papel. Depois pique o papel e jogue todos os pedaços pelo caminho até a sua casa. E amanhã volte para ouvir sentença!

O vizinho obedeceu e voltou no dia seguinte. Foi quando o juiz lhe disse:

– Antes da sentença você terá que catar todos os pedaços de papel que espalhou ontem!

– Mas meritíssimo! Não tenho como fazer isso! – respondeu o homem.

E ele prosseguiu diante da impossibilidade do que teria que fazer:

– O vento deve ter espalhado todos os pedaços do papel por tudo quanto é lugar! Já não sei mais onde estão!

Ao que o juiz então respondeu:

– O que aconteceu com o papel é o mesmo que aconteceu com seu comentário sobre o homem que você acusou! Os pedaços de papel se espalharam da mesma maneira que o seu “simples” comentário! Um comentário pode destruir a honra de um homem, pois se espalha como os pedaços de papel se espalharam, a ponto de não poder mais consertar o mal causado.

Autor desconhecido