O perdão faz bem a quem perdoa

Mesmo sabendo que o perdão faz bem a quem perdoa, ainda assim, muitas vezes, é difícil perdoar.

E mais difícil do que perdoar o outro é perdoar a si mesmo!

Hoje existem muitas pessoas que sofrem por carregar culpa e ódio de si mesmas.

Desde criança o ser humano é cobrado, criticado e lhe é exigido uma conduta que é determinada pelo meio em que vive.

Há uma voz interna que constantemente expressa frases de cobrança como:

  • Eu não mereço
  • Eu não sou bom o suficiente
  • Não posso ser assim
  • Não devo fazer isso

Essa pressão exercida fora pelas outras pessoas e dentro pela própria pessoa acaba por configurar um padrão de comportamento, pensamento e visão negativos de si mesmo.

Este padrão faz com que a pessoa avalie a vida e a si mesma baseada em quatro emoções:

  • Crítica
  • Culpa
  • Ressentimento
  • Ódio

Essas quatro emoções causam inúmeros problemas para o ser humano!

Preso ao passado

Esta configuração negativa da personalidade humana tem início na educação da criança e as marcas feitas nesta fase da vida podem ser marcantes por toda a vida do indivíduo.

O passado deveria ser somente passado, mas ao se adotar um jeito de ser preso ao que aconteceu no passado, este se torna um repetitivo presente ao ser revivido nas situações atuais como padrão de comportamento, forma de pensar e visão de si mesmo.

Hoje, cada vez mais, a ciência vem nos mostrando que tudo é energia, se incluindo aqui os pensamentos e sentimentos.

Agora imagine a quantidade e a intensidade de energia que existe em pensamentos e sentimentos recorrentes?

Oh vida! Oh azar!

Podemos mudar nosso padrão energético, ou seja, podemos mudar nossa atitude e deixarmos de ser marionetes movidas pelo passado!

Mudar o padrão do pensamento e a configuração de nossos sentimentos é possível, porém, pode não ser algo simples!

Pois, o mais comum é a pessoa adotar a ideia de ser uma vítima indefesa das circunstâncias e qualquer mudança será vista como uma tentativa em vão.

O papel de vítima é mais facilmente aceito do que o papel de protagonista.

E a mudança é ainda mais difícil quando tudo isso é um movimento inconsciente da pessoa.

Isto é, a pessoa não tem consciência de que se move assim na vida e que utiliza frequentemente as ideias de sorte, azar, destino e outras coisas que indiquem que a responsabilidade de tudo que lhe acontece não é dela.

Uma mudança do padrão da pessoa passa necessariamente por se libertar do passado e a libertação do passado se dá através do perdão.

Perdoar o outro e perdoar a si mesmo!

Perdão faz bem a quem perdoa

Para buscar excelência na vida é fundamental se libertar dessas ideias e pensamentos configurados no passado!

É preciso fazer a escolha de se libertar do passado e, como já disse, isso acontece através do perdão.

Perdoar todos e a si mesmo.

Se, em relação aos outros, o perdão faz bem a quem perdoa, calcule então o bem que não fará quando o perdão é dado a si mesmo?

Alguns, talvez muitos, digam: “mas eu não sei perdoar!”.

Poderíamos parar este artigo aqui por termos chegado a um problema sem solução, mas…

Isto não é o fim! Há solução!

E qual é a solução?

A solução consiste em que não é preciso saber perdoar!

“Basta estar disposto a perdoar!”.

Perdoar não significa ter amnésia e esquecer o passado!

Perdoar também não significa fingir que alguns sentimentos deixaram de existir!

Perdoar não significa apagar!

Perdoar significa “desistir, libertar e soltar”!

Lidar com o que existe dentro de você e seguir em frente e acima!

Perdoar não implica em esquecer nem desculpar alguém.

Perdoar significa não alimentar um padrão de pensamento.

Alterando o padrão do pensamento, naturalmente, os sentimentos negativos deixam de ser também alimentados.

Você não precisa canonizar quem lhe feriu, é necessário apenas que você não carregue dentro de si um inimigo!

É este inimigo interno quem lhe faz mal e muito mais do que qualquer inimigo externo!

E se você carrega a si mesmo como inimigo o fardo é ainda mais pesado!

Perdoar a si mesmo é o maior bem

O ressentimento de si mesmo gera culpa.

E sendo culpado é preciso ser punido pelo destino.

A punição do destino gera o medo de viver.

O medo de viver gera o ódio pela vida e por si mesmo.

E todo este processo funcionando, geralmente, inconscientemente.

Pessoas presas dentro deste círculo vicioso são acometidas por doenças e atraem infortúnios e pessoas que alimentam este círculo.

É um círculo vicioso que somente pode ser quebrado pelo perdão a si mesmo.

Quando falo em perdoar a si mesmo falo em auto aceitação!

Auto aceitação não significa se acomodar nas imperfeições!

Auto aceitação significa amar a si mesmo e mesmo não se sendo perfeito!

Auto aceitação envolve presente e futuro.

Aceitar a si mesmo como se é “aqui e agora” e buscar ser melhor.

Ter autocrítica, mas não ser um crítico cruel de si mesmo.

Se numa autorreflexão você se encaixar em muito do que foi escrito neste artigo pense: “deu certo ser cruel consigo mesmo?”.

Tudo é energia!

Perdoar faz bem a quem perdoa porque transforma a energia daquele que perdoa.

Mudando a energia da vida flui!

A energia deixa de ficar travada nos nós do passado e flui no presente e em direção ao futuro.

Tire um tempo e reflita se você convive consigo mesmo como amigo ou como inimigo.

Se tiver inimigos fora de si, perdoe-os! Fará bem a você!

Se o inimigo for você mesmo, perdoe a si mesmo, seja amigo de si mesmo, desfaça os nós do passado e deixe a vida fluir!

Não é possível reescrever o passado, mas é possível escrever o presente e o futuro.