O terrível quadro da violência familiar

O quadro da violência familiar é um sintoma da sociedade doente que vivemos.

A violência vivida dentro de casa é cúmplice da violência vivida na sociedade!

O terrível quadro da violência familiar

O terrível quadro da violência familiar

No Brasil, o conhecimento sobre a dimensão da violência familiar é ainda escasso.

Todavia, existem evidências apontando para um cenário merecedor de enfrentamento imediato.

No Brasil, a magnitude da violência familiar é algo preocupante.

  • Seis em cada 10 brasileiros conhecem alguma mulher que foi vítima de violência doméstica.
  • Machismo (46%) e alcoolismo (31%) são apontados como principais fatores que contribuem para a violência.
  • Cinco mulheres são espancadas a cada 2 minutos no país; 91% dos homens dizem considerar que “bater em mulher é errado em qualquer situação”.
  •  Uma em cada cinco mulheres consideram já ter sofrido alguma vez “algum tipo de violência de parte de algum homem, conhecido ou desconhecido”.
  •  O parceiro (marido ou namorado) é o responsável por mais 80% dos casos reportados.
  • De acordo com dados da SDH (Secretaria de Direitos Humanos), cerca de 70% dos casos de violência contra crianças e adolescentes no Brasil acontece em residências, seja da vítima ou do agressor.

As agressões de violência física também apresentam números assustadores.

  • Apenas para maus tratos, em 2011, foram registradas 420 denúncias.
  • Em 2013, este número chegou a 6.503.
  • No caso de lesão corporal o crescimento também foi alarmante: de 236 casos em 2011 para 4.114 em 2013.
  • A OMS afirma que 40 milhões de menores de 14 anos sofre algum tipo de maus-tratos e requerem atenção médica e social.
  • Estudos realizados em diversos continentes mostram que, em média, 22% das mulheres e 15% dos homens relatam ter vivido algum episódio de violência sexual, em suas diferentes modalidades, antes dos 17 anos.
  • O canal de denúncias de violações de direitos humanos recebeu mais de 91.342 registros de casos de negligência, violência psicológica, física e sexual em 2014.

De acordo com os últimos dados do sistema de Vigilância de Violências e Acidades (Viva) do Ministério da Saúde, ao abuso sexual é apontado como a segunda violência mais cometida na faixa etária de 0 a 9 anos, ficando pouco atrás apenas para as notificações de negligência e abandono.

Na faixa de 15 a 19 anos, esse tipo de agressão ocupa o terceiro lugar, com 5,2%, atrás da violência física (28,3%) e da psicológica (7,6%).

Os dados apontam também que 22% do total de registros (3.253) envolveram menores de 1 ano e 77% foram na faixa etária de 1 a 9 anos.

A violência na maioria dos casos ocorre dentro da residência da criança (64,5%).

O terrível quadro da violência familiar

Educação baseada na violência

Uma possível explicação para o comportamento nocivo dos pais vem da própria cultura, segundo a psicóloga Lígia Caravieri.

Para ela, a sociedade brasileira é conivente com uma educação baseada na violência:

“A sociedade acredita que não deve se meter na forma como as pessoas educam seus filhos, e que a violência é uma punição aceitável. As pessoas foram criadas desta forma e acabam reproduzindo isso.”. (Uol Notícias Cotidiano – 11/03/2014).

O terrível quadro da violência familiar

O quadro que aterroriza o pintor

Maria Fernanda Nogueira Mesquita em sua obra: Valores Humanos na Educação (Uma nova prática na sala de aula) nos diz que:

“Tudo o que existe começou com o pensamento, e é por intermédio dele que devemos acionar o processo de transformação.”.

A sociedade atual está doente e uma nova consciência precisa ser configurada.

A sociedade é formada por indivíduos, desta forma, a mudança social passa pela mudança de cada indivíduo.

Dan Millman em sua obra: “As leis do espírito – Verdades simples e eficazes para dinamizar a vida” traz ricas palavras para q reflexão do quadro da violência familiar e o quanto a mudança de postura do indivíduo da sociedade é que pode mudar o caminho.

O atual quadro da violência familiar não foi construído hoje, é consequência de equívocos sociais que vem se acumulado desde muito tempo.

O que esperar de uma sociedade que prega consumismo, competição, aparência e valores materiais?

O quadro da violência familiar foi pintado pela própria sociedade que hoje o olha assustada!

A violência vivida dentro de casa é cúmplice da violência vivida na sociedade!

O terrível quadro da violência familiar

O processo de transformação

Para reflexão e para semear esperança vamos às palavras de Dan Millman:

Você é carvão ou diamante

Somos ao mesmo tempo sobrecarregados e abençoados pelas grandes possibilidades do livre-arbítrio – o poder de escolher.

Em grande parte, nosso futuro é determinado pelas escolhas que fazemos agora.

Nem sempre podemos controlar as circunstâncias, mas podemos escolher e escolhemos a nossa resposta a tudo o que se nos apresenta.

Reivindicando nosso poder de escolha, encontramos coragem para viver plenamente no mundo.

O universo não nos julga; ele apenas nos fornece consequências, lições e oportunidades para que nos equilibremos e aprendamos por meio da lei de causa e efeito.

Nós sabemos que existem pessoas profundamente perturbadas e perniciosas neste mundo, e que pessoas assim tendem a perturbar os outros.

Mas pense sobre isto: ódio e compaixão são tipos diferentes de energia, com qual dessas energias você quer preencher o seu mundo?

Vídeo: Nós somos o mundo