Panorama da população idosa

O panorama da população idosa é a de se viver numa sociedade em que envelhecer causa a sensação de vergonha.

Há que se buscar um novo panorama.

Panorama da população idosa

Perdas físicas que não roubam o sentido da vida


A minoria dos idosos pode ser chamada de dependentes.

Existe uma divisão onde se separam pessoas, menos idosas, mais idosas e muito idosas, essa divisão é fundamentada tanto na idade cronológica como nas características relacionadas a saúde e bem estar social.

Os menos idosos apresentam-se saudáveis e com bastante vitalidade, sua situação financeira é geralmente estável e possuem boa integração familiar e social, além de serem politicamente ativos.

Os mais idosos possuem muitas perdas físicas, mentais ou sociais, mas possuem vigor em muitas dessas áreas.

A velhice é permeada de inúmeras perdas, como, por exemplo: da saúde, de pessoas próximas, status, segurança financeira e até da própria convivência familiar entre outras.

O indivíduo sente a cada ano o declínio de força, beleza e dos próprios sentidos, reflexos e concentração.

Os mais idosos são dependentes dos outros, sendo uma pequena minoria dos que estão acima dos 65 anos, porém são mais percebidos por exigirem bastante dos serviços de apoio de hospitais e serviços no geral.

Panorama da população idosa

Panorama da população idosa


Para os idosos que estão entre os grupos das pessoas menos idosas e das mais idosas citadas anteriormente, a maior dificuldade no processo de envelhecimento está relacionada ao modo de viver e se comunicar com as outras pessoas.

Para interagir precisa utilizar os sentidos básicos, como olfato, paladar ou audição, porém esses não são mais os mesmos, a tendência é que o processo de envelhecimento cause degradações nesses sentidos, tornando a vida do idoso um tanto mais complicada.

A população idosa convive com o dilema de que o corpo desgasta-se com o tempo, ao passo que a consciência não segue as dimensões de espaço e tempo que o corpo está sujeitado.

Os idosos vivem o processo de envelhecimento em discordância com a visão pública de ser humano, fato que pode ser constatado com a ausência de pessoas idosas nos meios de comunicação que enaltece e vende a imagem de juventude.

Desta forma, o processo de envelhecimento passa a ser associado a uma anomalia, uma doença infecciosa e a uma deterioração física e estética.

A fim de manter um relacionamento saudável, que traga benefícios para o idoso é necessário alguns cuidados especiais.

Para um funcionamento ótimo, as mudanças do corpo necessitam de adaptações ativas e não aceitação passiva.

Essa adaptação requer a descoberta do equilíbrio entre a manutenção das atividades normais e ajustes em relação às capacidades que se tornaram diminuídas.

Hoje o panorama da população idosa é a de se viver numa sociedade em que envelhecer causa a sensação de vergonha, pois o ser humano idealizado pela sociedade é baseado na beleza física e estética.

O idoso acaba convivendo num universo de bisturis, cosméticos, implantes e Viagra.

Há que se buscar um novo panorama para a população idosa com a redefinição de conceitos como atratividade, sexualidade e proximidade da morte para que a pessoa que envelhece possa acolher este processo ao invés de resistir a ele com artificialidades.