A psicologia e a perspectiva holística do adoecer

Para entender a relação entre a psicologia e o adoecer temos que primeiramente adotar a perspectiva holística do adoecer.

Mas o que é perspectiva holística do adoecer?

Holístico é uma palavra que deriva do vocábulo grego holos, que significa todo.

Por holístico pode-se compreender o que é total ou inteiro.

Este enfoque ressalta a interdependência biológica, psicológica, social, ambiental; e eu colocaria espiritual na compreensão do ser humano.

Assim, saúde é o bem-estar biopsicossocial e espiritual, pois somente desta forma todos os aspectos do ser humano estarão compreendidos dentro de sua totalidade.

O processo de adoecer sob a ótica psicológica permite trabalhar numa perspectiva holística.

A saúde é o equilíbrio dinâmico entre os diversos sistemas (psicológico, neurológico, endocrinológico ou imunológico) que compõem o ser e o desequilíbrio em um acarreta desequilíbrio em todas as partes do ser.

Em uma visão fragmentada do ser humano dividiríamos as funções no que diz respeito à nossa saúde e bem-estar desta forma: os médicos cuidariam do corpo físico, os psicólogos tratariam da mente e os religiosos cuidariam do espírito.

A concepção holística vê a interação e a integração do organismo com o todo havendo grande importância para o fenômeno decorrente dessa relação entre a parte e o todo.

A partir do séc. XVII a medicina ocidental separou o corpo da mente, negando a influência desta sobre o físico.

A mente através dos pensamentos, imagens, memórias e emoções, pode alterar a estrutura bioquímica e o sistema nervoso. Por exemplo: é comum a expressão: “levei um susto tão grande que fiquei com as pernas moles”.

Somatizações e a perspectiva holística do adoecer

A psicologia e a perspectiva holística do adoecerSomatizações surgem quando diante de conflitos os efeitos destes são radicalmente expelidos da mente e lançados no corpo, ou seja, a dor fisiológica ocupa, acompanha e/ou complementa a dor psíquica.

Na verdade, todos nós tendemos a responder através do sintoma somático em função de um traumatismo interno ou externo.

A doença passa a não ser apenas a ausência de saúde e sim o desequilíbrio entre o corpo e psiquismo em todos os estágios da saúde e da doença.

Por exemplo: um desequilíbrio psíquico pode promover a doença ou em razão de um desequilíbrio do corpo (somático) surgirem desequilíbrios psíquicos.

A manifestação dos sintomas é um sinal de que algo não vem fluindo bem há algum tempo.

Os sintomas são a quebra dos limites.

Buda: Somos o que pensamos. Tudo o que somos surge com nossos pensamentos. Com nossos pensamentos fazemos o nosso mundo.

A psicologia e a perspectiva holística

Mudança de enfoque

É importante mudar o enfoque:

  • De doença para doente.
  • De doença como intrusa para doença como resultado de um conjunto de causas que culminam em desarmonia e desequilíbrio.
  • De relação de dependência para cooperação.

Essa mudança de enfoque é necessária para que a pessoa compreenda os fatores que contribuíram para o seu adoecimento e assim poder participar de seu próprio processo de cura.

A doença se origina na história de vida da pessoa e “mais do que a situação em si o importante é como a pessoa lida com a situação”.

Quando o ser humano adoece há que se considerar que não só a doença deve ser tratada, mas também e principalmente a própria pessoa.

Costuma-se dizer que as pessoas adoecem da mesma forma que vivem: se são compassivas na vida, o serão ao enfrentar as doenças; e se são assertivas, ousadas, agressivas, da mesma forma lutarão contra ela.

Desta forma uma atitude saudável na vida é aprender a se apreciar, pois durante a vida somos constantemente depreciados.

Frank A. Clark: A felicidade não é a ausência de problemas, mas a capacidade de lidar com eles.

Vídeo: Resiliência é tudo