A psicologia junguiana


A psicologia junguiana é profunda e propõe a busca de si mesmo.

Jung deixou uma psicologia com raízes que tocam a mitologia, alquimia, símbolos e a espiritualidade.


A psicologia junguiana

Para saber mais e se aprofundar na psicologia de Jung fica o convite para que você visite e siga meu blog: Psicologia Profunda.

A psicologia junguiana tem como propósito “tornar o indivíduo si mesmo”.

Jung deu para sua psicologia o nome “Psicologia Analítica”.

A psicologia de Jung indica que o propósito maior da psique humana é a individuação (que é o próprio processo de tornar-se si mesmo).

A terapia analítica é baseada no equilíbrio entre os opostos.

Há também na Psicologia Analítica o estudo dos sonhos e dos símbolos, como formas pelas quais se expressa o inconsciente.

Outra ferramenta da Psicologia Analítica são os grandes temas culturais ou mitológicos universais, além da alquimia, religiões e temas ligados à espiritualidade.

A psicologia de Jung é dinâmica, aberta, ampla e exige de seu estudante, além de profunda reflexão, um espírito audacioso, sincero e imparcial em sua busca do saber para compreensão da alma humana.

A psicologia junguiana

A psique

A personalidade total ou psique consiste em vários sistemas diferentes, mas interatuantes.

Os sistemas são: a consciência com o ego, o inconsciente pessoal e seus complexos, e o inconsciente coletivo e seus arquétipos, sendo os principais: o self, a anima/animus, a persona e a sombra.

Segundo Jung, a personalidade total ou psique apresenta o self como o centro da personalidade.

A psique na psicologia de Jung contempla a ideia de que o ser humano é uma totalidade por natureza e descarta a visão do homem como um ser fragmentado ou que tenha nascido como tábula rasa.

Caso você esteja conhecendo agora a psicologia junguiana sugiro a leitura de dois artigos em Psicologia Profunda.

No primeiro artigo você poderá conhecer melhor o criador e no segundo a criação:

A psicologia junguiana

“Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana seja apenas outra alma humana.” (Carl Gustav Jung).

Paulo Rogério da Motta


Veja também…

Vídeo: O Livro Vermelho de Jung

O reencontro da alma