Reflexões sobre idosos e o envelhecer

Reflexões sobre idosos e o envelhecimento são necessárias na sociedade atual.

Arnaldo Antunes canta: A coisa mais moderna que existe nessa vida é envelhecer.

Reflexões sobre idosos e o envelhecer

Reflexões sobre o envelhecer


 

O homem que envelheceu, por natureza e consequência, deveria ser destinado a transmitir aos demais homens a experiência que adquiriu na vida.

Mas a sociedade declara a velhice como o capítulo final da vida, porém os idosos, na verdade, ainda se sentem vivendo uma emocionante história e com muita coisa ainda por acontecer.

A passagem dos anos, é verdade, faz com que sejam vivenciadas muitas perdas, mas a velhice também pode fazer com que as perdas ocorridas, depois de lamentadas, possam produzir no ser humano a liberdade criativa de então conseguir abraçar a vida.

A longa vida só é possível para aquele que envelhece e é a atitude da pessoa frente às perdas decorrentes do processo de envelhecimento – como o declínio físico – que dará o tom da qualidade da vida.

A preocupação com o corpo pode na velhice ser substituída pela busca da transcendência do corpo.

Aquele que envelhece pode viver este processo como uma penosa derrota e condenar-se à morte em vida.

Mas quem envelhece pode viver a velhice como o contínuo processo de desenvolvimento do ser humano e como o tempo em que pode se originar novas forças, aptidões e sabedoria que antes não estavam acessíveis.

A velhice pode ser um período da vida em que a liberdade pode ser mais presente com a transcendência do ego que será capaz de apreciar o prazer do outro, de se interessar com fatos que não estão ligados aos próprios interesses e realçar a importância do presente fazendo investimentos num amanhã que sequer sabe se verá.

Envelhecer bem é viver cada dia e então não ter tempo para morrer em vida.

Reflexões sobre idosos e o envelhecer

Reflexões sobre idosos


 

Apesar das dificuldades apresentadas no processo de envelhecimento é possível ter um olhar extremamente positivo em relação a essa fase da vida do homem.

As pessoas idosas tendem a se tornar mais reflexivas e filosóficas do que eram quando mais jovens.

Há uma tendência a avaliar melhor as realizações e fracassos baseando-se nas percepções pessoais do esquema geral da vida. 

Não é papel da sociedade escolher o significado dos anos vividos por alguém, cabe ao próprio homem que envelheceu dar a significação da passagem dos anos em sua vida.

O sentir-se jovem é mais profundo que o querer ser jovem.

O homem sempre carregará o desejo de que o tempo poderia retornar e o rosto visto num espelho fosse diferente de como a pessoa se vê.

A satisfação que o idoso sente na vida é diferente da ideia social que estereotipa o homem que envelheceu como alguém desinteressado, preso ao passado e à espera da morte.

Equívocos sobre idosos são comuns numa sociedade que valoriza apenas a juventude.

O isolamento social hoje já não é aceito pelos próprios idosos e a maldição de ser velho de acordo com a visão dos mais jovens não é a realidade e nem a verdade vivida pelos idosos.

Schirrmacher, em sua obra: “A revolução dos idosos: o que muda no mundo com o aumento da população mais velha”, revela que uma pesquisa gerontológica feita em Berlim, Alemanha, com mulheres e homens com idade entre 70 e 100 anos apontou que:

  • Se sentiam em média doze anos mais jovens do que a real idade
  • Se sentiam nove anos e meio mais jovem em relação à própria aparência.

Prossegue o autor dizendo que a ideia de que o idoso é alguém à espera da morte não se confirmou na pesquisa quando apenas 1/10 dos entrevistados demonstraram estarem ocupados com a morte ou com a proximidade dela.

Nesta mesma pesquisa a maioria dos entrevistados disseram que estão contentes com a sua vida e mais de 9 a cada 10 ainda têm importantes objetivos na vida.

Assim percebemos que o idoso faz planos para o futuro e enquanto isso muitas pessoas de maneira consciente procuram viver menos atuando na vida preferindo o prazer como o fumo ou a bebida em troca de uma vida mais longa.

Estereótipos e falas preconceituosas são ditos sobre idosos que não correspondem à verdade daquele que envelheceu.

Todos nós estamos matriculados na escola da vida e o tempo é um dos mestres.

Aquele que envelheceu aproveitando as aulas dadas pelo mestre tempo é alguém que merece reconhecimento e que pode ensinar muito todo aquele que tiver a humildade de aprender.


Vídeo: Arnaldo Antunes – Envelhecer