Ser criativo e original

Ser criativo e original é atualmente um estilo de vida de poucos porque quem é criativo e original está constantemente sendo inédito.

E o inédito é aquilo que acontece uma vez!

Inédito é estranho! É o ponto fora da curva! É estar fora da caixa!

E vivemos num tempo em que o inédito é raro! A maioria somente copia!

É a geração CTRL+C/CTRL+V!

E quem copia não desenvolve, não cria nem precisa pensar.

Quem não pensa acolhe ideias ruins, gostos por coisas sem qualidade e modismos que fazem a vida ser um passeio em escada rolante.

E por que, mesmo assim, tanta gente somente copia?

Porque é mais fácil copiar do que criar.

Porque o copiado já foi aceito e popularizado e o risco de rejeição é pequeno.

E o que é criado é inédito e por ser original ainda não foi aceito nem testado e não é popular ainda.

Quem não busca seu próprio caminho tem que caminhar no caminho dos outros.

Hoje as possibilidades de criação são infinitas com a alta tecnologia que temos. Tudo é possível!

Alguém pode levar sua mensagem a milhares ou milhões em segundos, fazer um vídeo com seu celular, escrever um texto agora e tudo com a facilidade de alguns cliques.

E, no entanto?

A maioria repete o que já foi feito!

A maioria replica o que já foi feito!

Nada contra difundir o bom e o que deu certo! É assim que funciona a comunicação e a aprendizagem.

O ruim é a acomodação no niilismo criativo, no limbo mental e em somente seguir fórmulas prescritas abrindo mão de seu mapa único de vida!

Quem se alimenta de nada come vazio existencial

Leia tudo que puder! Até panfleto que lhe entregam na rua, embora, a possibilidade de utilidade seja mínima!

Leia como você está lendo este artigo.

Mas leve consigo somente aquilo que passar pela balança do seu desenvolvimento.

Se algo lhe faz crescer é bom! Leve consigo! Pode ajudar no desenvolvimento do outro? Então passe à frente!

Se não lhe faz crescer, ria se for engraçado, esqueça se não valer a pena ser lembrado e… Não leve consigo! Nem replique, por favor!

Algum tempo atrás estava num grupo do Whatsapp (foi essa situação que me deixou avesso ao aplicativo) e o meu celular piava a todo instante e cada piada era para me avisar que havia uma informação irrelevante para eu consumir.

Ficava sabendo que alguém acordou e não sabia o que vestir, que havia trânsito numa rua que eu não iria passar, que hoje era o dia do vendedor de laranjas que tem seu ponto no lado direito das ruas que começam seu nome com a letra “P”…

O que estas informações acrescentavam em minha vida?

Hoje, infelizmente, muitas pessoas passam boa parte de suas vidas se alimentando de nada!

Por isso tanta gente sofre de vazio existencial.

Estranho é legal

Quantas pessoas devem estar com suas habilidades adormecidas porque não encontram meios de serem despertadas?

Aprecio as pessoas estranhas!

Não as estereotipadas porque aí são somente estranhas e não são originais! Não são naturalmente estranhas e forçar a barra para ser estranha é abrir mão de sua estranheza natural e particular.

Como psicólogo posso lhe dizer que existem muitas pessoas que estereotipam um “jeito diferente de ser” abrindo mão de lindas e particulares qualidades porque não combinam com a personagem que querem encenar na vida.

Mas, então, lapidando a frase, aprecio as pessoas estranhamente originais (ponto).

Ser criativo e original ao seu jeito, porque cada um é cada um, é ser raro porque expõe o seu jeito único de ser.

Se não for assim é mesmice!

Mesmice é o que não é criativo e original.

Aprender, mas (e mais) criar

Redes sociais, eis um bom termômetro de como caminha a humanidade!

Parodiando Lulu Santos pergunto: Com passos de formiga e sem vontade?

Mas há luz no fim do túnel! E se for um trem embarque nele!

Escrevi um artigo sobre o Marketing 3.0 e outro sobre Matrística. São caminhos que permitem a existência do criativo e original dentro de um contexto coletivo.

O Marketing 3.0 aponta uma tendência em que o marketing precisa atender a uma sociedade criativa.

A cultura matrística aponta um caminho de resgate do tradicional que permite o inovador e de igualdade que possibilita o diferente.

Não são contrassensos, são apenas propostas homogêneas que não buscam massificar e sem o propósito de criar zumbis seguidores.

Este artigo não é apologia contra redes sociais nem sobre viralização ou algo parecido!

Este artigo é um pedido de bom senso no meio de tudo isso!

Redes sociais podem ser ótimas quando bem usadas e viralizar algo construtivo é ajudar na construção de algo coletivamente bom!

Este artigo, como diz o título, é para propagar o caminho para ser criativo e original. Para propor aprender com o que o outro criou para que você crie também!

Para se desenvolver é preciso também se envolver e obter nesse envolvimento a matéria prima para a sua própria criação.

Se for seguir um modelo siga ao seu jeito.

Se for seguir uma tendência siga-a com seu toque pessoal.

Se for seguir uma cultura não abra mão de sua singularidade.

Seja você mesmo(a) porque se não você será uma farsa!

Seja criativo e original!

Paulo Rogério da Motta