Zohar, o livro do esplendor

O Zohar (em hebraico “esplendor”) é considerado um dos trabalhos mais importantes da Cabalá, no misticismo judaico.

Trata-se de comentários místicos sobre a Torá (os cinco livros de Moisés) e trata de temas como: a natureza de Deus, a origem e estrutura do universo, a natureza das almas, pecado, redenção, o bem e o mal, entre outros temas.

Alguns excertos do Zohar para que você possa vislumbrar a sua profundidade e beleza!

Excertos do Zohar

Zohar

II 99a. (Soncino Ed. Vol. III p. 301)

Tal como uma linda mulher escondida no interior de um palácio que, quando seu amigo e amado passa, abre por um momento uma janela secreta e é vista somente por ele e, então, outra vez, se recolhe e desaparece por um longo tempo.

Assim, a doutrina mostra-se somente aos eleitos, mas também, mesmo para eles, nem sempre da mesma maneira.

No começo, profundamente velada, apenas acena para o passante, com sua mão; ele simplesmente confia (em si mesmo) se em sua compreensão percebe essa amável sugestão.

Mais tarde, ela chega mais perto dele e sussurra algumas poucas palavras, mas o semblante dela está ainda oculto por um espesso véu, que sua vista não pode penetrar.

Ainda mais tarde, ela conversa com ele, seu semblante coberto com um véu mais fino.

Depois que ele tiver se acostumado com sua presença, ela finalmente se mostra face a face e confia-lhe os segredos mais recônditos do seu coração (“Sod”).

III 152b. (Soncino Ed. Vol. V, p. 211)

Ai do homem que vê na Torá, i.e. Lei, somente simples exposições e palavras usuais!

Porque, se na verdade ela somente contém isso, nós igualmente seríamos capazes hoje de compor uma Torá muito mais merecedora de admiração…

As narrativas da Torá são as vestimentas da Torá.

Ai daquele que toma essas vestimentas como sendo a própria Torá!…

Há algumas pessoas tolas que, vendo um homem coberto com uma bela roupa, não consideram mais além e tomam a vestimenta pelo corpo, enquanto lá existe uma coisa ainda mais preciosa, que é a alma…

Os sábios, os servidores do Rei Supremo, aqueles que habitam as alturas do Sinai, estão ocupados exclusivamente com a alma, que é a base de todo o resto, que é a própria Torá; e no tempo vindouro eles serão preparados para contemplar a Alma daquela Alma (i.e. o Deus) que sopra na Torá.

III, 152a.

Rabino Simeon disse: “Se um homem olha a Torá meramente como um livro que apresenta narrativas e problemas do dia-a-dia, coitado dele!

Tal Torá, cuidando dos interesses diários, nós também, nós mesmos, poderíamos compilar na verdade um livro melhor.

Mais do que isso, na posse dos dirigentes do mundo há livros de méritos ainda maiores, e com estes poderíamos competir se desejássemos compilar uma tal Torá.

Mas a Torá, com todas as suas palavras, contém verdades sobrenaturais e segredos sublimes.”.

Vídeo: O Zohar